Início Post 1666-cap-1-capitulo-1

1666-cap-1-capitulo-1

Tradução para o espanhol por Novelas-Fxxk It
Tradução do espanhol para o português por Sweet Time
Scan
Tradutora: Fuyu
Revisora: Brownie

 

 

Parte 1- Antes de me tornar a vizinha da heroína

Quando me dei conta pela primeira vez da minha vida passada,
eu tinha 10 anos. Por causa das circunstâncias, é ambíguo
demais dizer que na realidade eu tinha 10 anos. Mas, por uma
questão de conveniência, considerarei como tal. Agora, para
explicar esse assunto, terei que falar sobre um incidente que foi
um grande ponto de virada na minha vida.

Naquele dia em particular, me pegaram enquanto eu roubava
dinheiro, então me bateram até me deixarem sem respiração.

Thwack! Wham!

“Você achou que tinha conseguido um grande prêmio hoje?
Como ousa vasculhar meus bolsos?”

Minha sorte nesse dia foi realmente ruim.

O homem cheirava a dinheiro e como estava olhando ao redor e
caminhando com uma expressão confusa em seu rosto, pensei
que era um turista ou um comerciante que havia pegado o
caminho errado, mas eu estava completamente equivocada. Não
esperava que ele fosse um executivo do novo sindicato criminal
que havia se apoderado recentemente da região em que eu vivia.

Foi um erro considerá-lo como alguém de classe baixa porque
seu rosto não era familiar para mim. Além disso, também foi meu
erro pensar que ele era um alvo fácil porque parecia muito tolo.

 

 

No momento em que peguei o dinheiro saindo do bolso de trás
do homem, fui imediatamente pega por um braço musculoso e
jogada no chão.

“Você me tocou com essas mãos sujas!”

“Ei, não temos tempo. Não exagere.”

O companheiro do homem tentou detê-lo com indiferença, mas
não ajudou muito.

“Sinto muito… Sinto muito… Ack!”

O homem me empurrou para o beco e deu chutes em meu corpo.

Nos subúrbios havia muitas crianças abandonadas. E aqui, havia
adultos que faziam com que as crianças pedissem dinheiro ou
que roubassem carteiras, em vez de reunir as crianças e
oferecer-lhes comida ou roupa de cama. As vezes as crianças
habilidosas do grupo recebiam aperitivos baratos, como
caramelos feitos com água açucarada solidificada.

E como o grupo não aceitava meninas, eu escondi meu sexo e
vivi ali, fingindo ser um menino. Isso era possível porque eu ainda
era jovem, meu cabelo tinha crescido o suficiente para cobrir meu
rosto e quando eu usava tecidos de palha, meu sexo ficava pouco
claro.

Thwack!

“Ptui…! Pirralho maldito, está me dando nos nervos.”

O homem cuspiu para o lado enquanto me olhava com olhos
impiedosos enquanto eu gemia no chão com meu corpo

 

 

encolhido. Eu era famosa entre as crianças do grupo por ser ágil,
mas nesse dia eu tive muito azar.

Não era a primeira vez que me pegavam e me batiam enquanto
eu roubava carteiras – havia acontecido muito quando comecei –
mas era a primeira vez que me batiam tão severamente.

O homem ao seu lado estalou a língua como se dissesse que era
demais, mas ele não fez mais nada.

Eles me deixaram sozinha no beco e fugiram do local. Mas, ainda
assim, não pude evitar ficar feliz por ter terminado depois de
tanto. Se minha sorte houvesse sido pior, poderia ter morrido. O
sol já havia se posto, então tentei voltar para o meu grupo. Mas,
não consegui nem dar alguns passos antes de desmaiar no local.

E quando abri meus olhos novamente, haviam me vendido para
traficantes de pessoas.

***

A escravidão não era ilegal onde eu vivia. É claro que era proibido
sequestrar e vender livremente as pessoas, mas eu era dos
subúrbios e não tinha pais nem irmãos. Então, mesmo que
desaparecesse, não havia ninguém que me procurasse. O grupo
do qual eu fazia parte, provavelmente, também não tentaria me
encontrar.

Nos subúrbios, não era estranho que alguém desaparecesse
repentinamente um dia. Eu era um desses casos, e parece que,
enquanto estava inconsciente em um beco, fui capturada por
pessoas horríveis e vendida a comerciantes de escravos.

“O mesmo que antes, 50 pessoas saudáveis.”

 

 

“Aigoo, venha, venha. Vou escolher alguns úteis para você
novamente.”

Fui vendida no dia em que cheguei ao mercado de escravos;
quem sabe se foi algo bom ou mal. A pessoa que me comprou
era um indivíduo de aspecto suspeito, coberto de preto da cabeça
aos pés.

Pelo som rouco de sua voz, parecia ser um homem mais velho.
E, ao julgar pela maneira servil e lisonjeira em que o comerciante
de escravos falava, não era a primeira vez que comprava tantos
escravos assim.

Dessa vez, me transferiram para uma carroça com os outros
escravos, e viajamos por dois dias inteiros antes de chegar ao
nosso destino.

“O que é essa coisa que já está morrendo? Está até mesmo
coberto de sangue?”

Foi então que meu lamentável corpo foi descoberto na carroça.

Os efeitos posteriores ao espancamento no beco me fizeram ficar
doente. Mas parece que ele não sabia, porque não havia
verificado todos os escravos um por um quando os comprou do
comerciante de escravos.

“Ha. Esse filho da puta. Deixei-o passar tranquilamente da última
vez, mas esse bastardo me vendeu em segredo algo que eu nem
sequer posso usar novamente?”

O homem franziu a testa, o aborrecimento em sua voz era
palpável.

 

 

O homem tirou o chapéu e o rosto que revelou era muito mais
velho do que eu pensava. Ele olhou para mim, obviamente
descontente e logo estalou a língua.

“Tsk. Não posso fazer nada agora.”

Era muito tarde para voltar ao mercado de escravos. Então,
parecia ter decidido me levar para dentro em vez de me devolver.

Mas poderia ter sido melhor para mim ter morrido ou sido
abandonada naquele dia. Por quê? Porque o lugar em que
cheguei era um instituto de pesquisa, conhecido até mesmo na
cidade do crime, Carnot, por fazer experimentos em pessoas
vivas.

***

“Isso é tudo que sobreviveu dessa vez?”

Eu estava presa no laboratório imediatamente. O ar tinha um
estranho cheiro de peixe e ao meu redor se podia ouvir o triste
som de pessoas chorando.

“Os resultados foram semelhantes até agora. Não acho que este
método funcione… Pelo que parece.”

A mulher que estava ali, respondeu sem entusiasmo a pergunta
do homem. Então seu olhar se moveu e caiu sobre mim, que
estava ao lado do homem.

“Além disso, o que há com esse anãozinho? Você foi enganado
com sua compra novamente?”

“Não! Eu escolhi um jovem de propósito.”

 

 

Parecia ferir o orgulho do homem deixar alguém saber que havia
me comprado porque foi enganado pelo comerciante de
escravos. Agindo como se tivesse me trazido aqui de propósito,
o homem ordenou gravemente:

“Coloquem ‘isso’ em seu corpo.”

“O quê… Você está falando sério?”

“Todo esse tempo, apenas tentamos com adultos. Então, dessa
vez, mudaremos o método e veremos.”

A mulher parecia relutante a princípio, mas acabou seguindo as
ordens do homem e me deitou em uma cama vazia.

Naquele momento, todo o meu corpo estava queimando com
febre alta e minha visão era um borrão. Os dois falavam de algo,
me ignorando, mas o som de sua conversa gradualmente
desvaneceu. Então, eu não conseguia lembrar o que tinha
realmente acontecido comigo depois disso.

Eu apenas sabia que haviam amarrado meus pulsos e tornozelos
a cama e haviam picado meu pescoço com algo tão afiado como
uma agulha. Então, algo entrou em mim por onde quer que eles
tivessem me apunhalado. Depois disso, desmaiei pela terrível dor
que parecia estar rasgando todo o meu corpo.

Durante muitos dias e noites, sonhei com um grupo de aranhas
negras roendo meu corpo. Então, quando minha mente nebulosa
finalmente começou a enfocar e as aranhas que cobriam meu
corpo lentamente se retiraram…

Me lembrei das memórias da minha vida anterior.

 

 

As lembranças enterradas do meu passado irromperam de uma
vez só, como a água de uma barragem quebrada. Eu não era
uma órfã como havia sido até agora, pude recordar dos doces e
felizes dias que havia passado com minha família.

Os dias ociosos que passei deitada na cama, abraçando meu
cachorro e lendo um livro emprestado do meu irmão mais novo*.
As vezes em que saí com meus amigos depois dos testes da
universidade e joguei até tarde. Até mesmo a noite em que fui
empurrada para o meio da rua por um bêbado enquanto voltava
para casa…

N/T: *foi colocado uma nota de que não é especificado se é um irmão ou irmã
menor, pois a palavra do coreano da qual foi traduzido é ‘neutra’.

Também lembrei das luzes ofuscantes que me engoliram logo
depois disso.

Dessa vez, lutei por incontáveis dias em minha memória, sem
saber se era um sonho ou uma fantasia.

“Foi um êxito…!”

E então, a voz alegre de um homem me despertou do sonho.